CURSO DE MANUTENÇÃO DE PLACA MÃE DE NOTEBOOK

CURSO DE MANUTENÇÃO DE PLACA MÃE DE NOTEBOOK

Artigos

Fonte de alimentação: Para que serve e como escolher

As placas, drives e todos os sistemas do computador são feitos de delicadas peças que exigem uma quantidade adequada de energia. E só uma fonte de qualidade consegue enviar essa energia de forma correta para cada peça. Entenda neste artigo para que serve uma fonte de alimentação e como escolher uma para seu computador.
Processador, Memória, HD e Placa-Mãe. Esses quatro componentes costumam dominar a cabeça de quem está escolhendo ou montando um computador. Um erro muito comum dos usuários, contudo, é se esquecer das peças tão importantes para o desempenho do computador quanto para sua vida útil. Isto é, as fontes de Alimentação ou PSU.
Quando essa energia oscila, podem ocorrer problemas no desempenho e até a perda de algum componente do computador. Numa analogia com o corpo humano onde a CPU é o cérebro e a placa mãe é o sistema nervoso central, a fonte de energia é como o sistema digestivo.
Imagine que você precise praticar exercícios por um período de aproximadamente umas três horas. Se você tem uma alimentação de qualidade e em uma quantidade adequada, você consegue se exercitar sem problemas. No entanto, se você não está recebendo a quantidade adequada de vitaminas e minerais, seu desempenho será consideravelmente menor.
No computador, a alimentação não precisa ser definida pelo usuário: basta jogar 110v ou 220v na fonte, pois ela é a responsável por digerir essa energia e passar a corrente para os componentes do computador. Se a fonte não for eficiente, ela poderá passar menos energia e esquentar demais o PC, fazendo com que haja mais esforço dos coolers, redução do desempenho do processador e da placa de vídeo, bem como uma possível queima desses componentes.
Como escolher uma fonte
Um erro muito comum de quem quer montar um computador é se preocupar só com a potência estampada na fonte. Na verdade, isso é tão preocupante quanto comprar uma câmera digital só pelos ?Megapixels? ou um computador pela quantidade de ?gigas (sic)? que ele possui.
A potência da fonte é um dado importante, mas não tanto quanto a eficiência energética da PSU. Por exemplo, uma fonte de 500w, será capaz de fornecer somente um mínimo de 440w para o computador em forma de energia elétrica.
Nem sempre ter uma fonte de grande potência significa uma qualidade energética maior. Muitas vezes vale muito mais a pena você comprar uma fonte de 400w, com eficiência energética de 80%, do que uma de 750w com 50% de eficiência.
Por exemplo: se seu computador precisa de 300w para funcionar e você usa uma fonte com 80% ou mais de eficiência, ele vai consumir 375w, enquanto que um com uma fonte com 50% de eficiência vá consumir 600w.
Se você prestar atenção, verá que um computador que consuma 300w, ligado numa fonte genérica de 500w, poderá ter uma perda significativa no desempenho, uma vez que a fonte não estará fornecendo os 300w necessários e estará "ocupada" gerando calor.
Certificação 80 Plus

Uma boa forma de saber se sua fonte entrega ou não a capacidade prometida, é procurar uma PSU na lista da 80Plus. É mais ou menos como consultar um nutricionista de fontes para saber se a alimentação está ou não adequada a "dieta" do seu computador.
Quantos w minha fonte precisa?
Uma forma fácil de saber qual é a potencia necessária para a sua fonte é somar o consumo de todos os componentes internos e adicionar 25% de folga.
Um computador básico com processador Core i3 sem placa de vídeo consome em média 150w. Então, qualquer fonte com certificação 80plus com potência acima de 187w dá conta do recado.
Esta calculadora pode ajudar muito na escolha da potência ideal de uma fonte para quem está montando um computador. Além da fonte, ela mostra qual o no-break ideal para utilizar com o aparelho.
O que acontece quando eu utilizo uma fonte genérica?
Quem já trabalhou com fontes genéricas em máquinas potentes já deve ter percebido alguns desses sintomas:

* Lag em jogos pesados;
* Ventoinhas muito barulhentas;
* Reinicializações Frequentes;
* HDs que pifam sozinhos;
* Drives de DVD que não gravam adequadamente;
* Princípio de incêndio;
* Calor dentro do computador.
No entanto, um dos sintomas mais frequentes e mais ignorados é o consumo exagerado de energia, principalmente quando você não tem uma boa fonte para comparar.